Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

14.Dez.16

Porque hoje são 10 anos

Imagem2.png

 

Fomos tão improváveis.

Começámos num prenúncio de morte anunciada. Num amor nado-morto, onde fomos tempestade e fomos caos.

Fomos tão improváveis, num desencontro que a vida cruzou. Acontecemos, no lugar incerto, no tempo errado.

Fomos tão improváveis.

Fomos tudo e fomos nada…No erro fomos acerto, mudança. Na quietude fomos movimento. Nos desafios fomos batalha. Na dúvida fomos escolha e fomos paciência. Na paz fomos riso e alegria, fomos abraço apertado, beijo demorado...fomos apego e fomos morada…

Fomos tão improváveis.

Na rotina fomos devaneio. Na ausência fomos silêncio, distância, e fomos desilusão e lágrimas…Na paixão fomos luxúria e desejo, fomos aperto no peito, perturbação na alma…Na incerteza fomos coragem. Na dor e na mágoa fomos demência, e fomos força. Na tristeza fomos amizade.

Na imperfeição fomos conquista e no fim fomos recomeço…

Fomos tão improváveis, numa tão complexa simplicidade de ser.

Mas quando ainda existe um milhão de sentidos que invadem o peito, se entranham na alma e nos incendeiam, quando um beijo ainda nos ilumina e nos trespassa, quando no silêncio de um olhar ainda se lê o que as palavras não expressam, quando em cada momento imperfeito ainda há riso, quando em cada memória há plenitude, quando ainda há momentos inesquecíveis e noites inigualáveis… não somos tão improváveis.

E contra todas as improbabilidades criámos um amor que ficará para sempre, mesmo sem crença na existência de um amor eterno.

 

E agora futuro, que queres de nós? Esperamos-te…Vem...mas sem pressa, que o presente é nosso…

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.